Praia Preta e Lazareto - Ilha Grande, parte II



Oi meninas! Como vocês estão? Espero que bem! Estou há dias sem postar, porque fiquei sem internet mais uma vez, sim tenho carteirinha vip nessa modalidade. No último post falei um pouquinho sobre o meu passeio pela Ilha Grande - Angra dos Reis | RJ, como disse conheci apenas duas praias, a primeira que é logo na chegada da ilha e a Praia Preta que fica bem próximo do cais de chegada. 


Do cais até esta praia é uma caminhada de aproximadamente uns 10 minutos, por uma trilha convidativa que mescla a Floresta Amazônica com a visão do mar. Você pode fazer a trilhar caminhando ou de bicicleta, e ah não tem como não se apaixonar pela paisagem.  







Pra quem não curte muito a água salgada, pode dar um mergulho nas águas do córrego do Abraão que fica bem próximo das areias pretas e amarelas da praia.  






 Além da parte paradisíaca da praia, este pequeno trecho da ilha é marcado por uma história triste e angustiante. Sabe estas pedras na areia vistas na foto acima? Elas formavam o cais de uma grande fazenda, a fazenda do Holandes, que em 1884 foi adquirida pela Fazenda Imperial para abrigar o Lazareto do Rio de Janeiro.



O Lazareto serviu de 1886 à 1913, como um centro de triagem e quarentena para passageiros enfermos que chegavam ao Brasil vindos de outros países, atendeu mais de 4 mil embarcações e foi desativado em 1913 após mudanças na política de controle sanitário dos portos e aos avanços médicos. Em 1940, Getúlio Vargas transformou o Lazareto em uma prisão federal, que abrigou presos até 1954, quando foi desativada. Em 1963, por ordem do Governador Carlos Lacerda, os prédios foram demolidos, mas parte do Lazareto ainda está de pé e são mantidos como parte histórica da Ilha.




Antes de ir a ilha vi uma matéria especial de um dos jornais da Rede Record falando sobre os presídios, o Lazareto e outro presídio que fica em Dois Rios, outra parte da ilha que só é permitida à visita se você for acompanhada de guia - minha próxima missão *-*. Enfim, a reportagem abordou à parte covarde destes presídios, que sinceramente é de partir o coração.

Além de não possuir estrutura para suportar os prisioneiros, o Lazareto é tão próximo da praia que quando a maré subia alcançava as celas e os presos eram reféns da água. Por mais errados que tivessem, o tratamento era desumano e a cadeia deveria restabelecer a conduta dos errantes e não os levarem a praticar ações ainda piores.



É impossível olhar para um lugar como este e não viajar no tempo, há um peso no ar que permite que você imagine como deveria ser aquele lugar há uns 50 anos atrás... E em contraste com ele, há dezenas de pessoas nas praias próximas e até mesmo ao lado do Lazareto curtindo a vida e a paisagem da ilha, é uma coisa e tanta para se pensar...

Além do Lazareto, há também as ruínas do Aqueduto que não tive a oportunidade de conhecer, mas assim que possível vou conferir e conto para vocês. A praia possuí o circuito histórico, uma cachoeira e banquinhos ao longo da trilha onde você pode fazer um encantador pique-nique. 

É sem dúvida uma parte da ilha que merece a nossa atenção. 

Os passeios com circuitos históricos serão comuns no blog a partir de agora, a necessidade de pagar as horas complementares na faculdade é enorme, e melhor ainda é juntar o útil ao agradável. Conhecer a história do Brasil é fundamental e estou me apaixonando a cada instante. Alguma princesa apaixonada por história quer embarcar nessa aventura?

O que acharam da ilha? Espero que tenham gostado e que tenham a oportunidade de conferi-la pessoalmente. Beijinhos, tenham um fim de semana incrível!
   

0 comentários:

Postar um comentário

 
Princesas adoradoras © Todos os direitos reservados :: voltar ao topo