Loucura ou realidade?



Day 9: a loucura

Loucura ou realidade?
O que Anne encontrou no guarda-roupa?

Anne tinha terminado de ler O Leão, a feiticeira e o guarda-roupa pela décima vez, o livro que ganhara não havia mais de 1 ano já estava surrado de tanto levar a garotinha de apenas 6 anos há tantas aventuras. Lúcia, Edmundo, Susana e Pedro eram os melhores amigos da menina e não havia um sequer que ela não se imaginasse vivendo em Nárnia.

Entediada, Anne se aventurou pelos corredores da imensa casa que vivia mais uma vez, ela e os pais haviam se mudado para lá há menos de 2 semanas e Anne ainda não conhecia todos os cantos da casa, estavam na Inglaterra de 1940 e tudo o que os pais queriam era uma lugar tranqüilo e seguro para deixar sua pequena criança longe das garras da guerra.

Enquanto entrava em um quarto e outro, subia e descia escadas, Anne chegou ao terceiro andar da casa, precisou subir uma escada íngreme e juntar todas as suas forças para empurrar uma portinha que estava em cima de sua cabeça. Arfando chegou ao sótão, que estava tão escuro e silencioso que fez a menina estremecer. Ela ajeitou o vestidinho azul e bateu a poeira que havia agarrado as suas meias que iam até aos joelhos. Caminhou entre o silêncio, buscando não fazer barulho algum e atenta a tudo ao redor, viu muitas caixas, algumas com brinquedos, outras com utensílios de cozinhas, com bibelôs e até algumas com velhos álbuns de fotografia. Em um canto viu uma caixas com vários brinquedos, alguns cavalinhos de pau, jogos de tabuleiro, até um lindo jogo de xadrez!

- Esse vou ter que levar para mim! – disse ela enquanto admirava as peças de cristal.

Continuou andando entre as caixas até que bem no fundo do sótão, num cantinho bem escuro, um grande lençol branco cobria uma imensa caixa quadrada. Anne ouvira histórias de seus primos mais velhos, que embaixo de lençóis em sótãos só poderia haver fantasmas e que garotinha de apenas 6 anos não daria ouvidos a isso? Mas Anne era muito corajosa e arrastou o lençol mesmo assim.

De baixo dele estava um lindo guarda-roupa, feito de madeira bem grossa, e que mesmo estando num lugar tão feio e poeirento não havia perdido sua beleza. Anne voltou a pensar em Nárnia, seria ela uma Lúcia e aquele o guarda-roupa que levou os quatro irmãos a terra do Leão? Cheia de esperanças, Anne abriu o guarda-roupa e se surpreendeu com a quantidade de roupas que havia lá dentro, ela entrou e começou a andar entre os vestidos e casacos até que encontrou o fim do guarda-roupa, madeira, nada mais.

Anne ali se sentou, cruzou suas perninhas e resmungou por nada nunca acontecer com ela. Estava cansada de viver numa casa só com os pais e empregados, ela queria crianças, queria brincar, queria que a guerra acabasse para que pudesse correr livre pelo gramado. Queria poder comer doces e sair para passear nos parques da cidade, queria ser como qualquer outra criança, livre da guerra... Foi então que suas costas não mais encontraram lugar para encostar e Anne caiu de costas numa grama fofa, primeiro viu galhos e depois um imenso e lindo céu azul.

- Será que estou em Nárnia?

Anne se levantou e começou a andar entre as árvores até que encontrou o lampião, o mesmo que lera tantas vezes nas histórias de C.S. Lewis, será que estava mesmo no Ermo do Lampião? Será que estava em Nárnia ou a solidão havia a deixado louca? Era loucura ou realidade?  

0 comentários:

Postar um comentário

 
Princesas adoradoras © Todos os direitos reservados :: voltar ao topo