A verdade sobre o que ser quando crescer

segunda-feira, março 16, 2015


16 on 16 de Março:

"A surpreendente verdade que nunca te contaram sobre... "


Aos cinco anos eu era a garotinha que acordava às seis da manhã para começar logo o dia, dormir nunca foi a minha praia, na verdade, eu queria jogar os brinquedos na varanda e soltar a minha imaginação. Quando segurava a minha Barbie do 1,99, me sentia a boneca e as casinhas minúsculas se tornavam o meu lar. Eu gostava de correr descalço, subir em árvores, apostar corridas de bicicleta e fazer piqueniques no quintal da minha melhor amiga, mas no fundo tudo o que eu queria mesmo era crescer, ir pra faculdade, me formar naquilo que amava e começar a minha própria vida.

Naquela época eu não sabia muito bem como as coisas funcionavam, não compreendia o que era e como era a vida na universidade, não sabia o que era trabalhar e o quanto a vida adulta seria complicada, hoje sei o quanto trocar as roupas das minhas bonecas eram uma tarefa simples. Mas aí a gente cresce e ser professora não é mais o seu maior sonho, e você começa a pensar no mercado de trabalho, na competitividade, alguns tem que lidar com a falta de apoio dos pais... E tem toda aquela coisa de ter a certeza de que o curso que você está matriculado na faculdade é aquilo que você realmente quer fazer da vida.

Ninguém nunca me disse que escolher o que eu seria quando crescesse fosse tão difícil! Quando eu via a minha mãe como dona de casa parecia ser a escolha mais simples do mundo, claro que há toda aquela coisa de abrir mão da sua própria vida para cuidar de um filho, do marido e da casa em tempo integral, mas ela parecia tão perfeita naquilo que não conseguia vê-la em outro lugar sabe? Quando ia ao médico eles pareciam tão naturais em suas mesas, as professoras na escola sempre pareceram tão dispostas para o seu trabalho... Eles pareciam perfeitos para o que faziam. Tudo caminhava bem até que entrei na faculdade e descobri uma dúvida que passou a pulsar no meu coração todos os dias: O que vou fazer da vida? O que vou ser, cara?

Será que nasci para ser professora? Será que o Jornalismo seria bom pra mim? Mas sabe o que eu quero de verdade? Escrever até os meus últimos dias! Me contentaria em ter uma casa num cantinho, podia ser na beirinha da praia ou próxima a uma mata, um lugar bem sossegado, onde pudesse me sentar com um notebook e uma xícara de café e escrever até meus dedos terem calos. Parece simples, né? Também acho, mas é só parar pra pensar um pouquinho que aquela coisa chata que os adultos tem vem sobre mim. Não posso simplesmente ser escritora, não agora. Quem comprará meus livros? Como sei que receberei o suficiente para sobreviver? Será que vai dar certo?

Esqueceram de me contar que adultos tem mais medo do que crianças, suas responsabilidades se tornam bichos piores do que aqueles que as crianças costumam imaginar debaixo de suas camas ou dentro dos guarda-roupas... São tantas questões, são tantos receios e tanta cobrança que às vezes a gente prefere guardar o sonho em um cantinho quase intocável do coração e escolhe realizar aquilo que aparentemente é mais fácil ou vai agradar a fulano, ou vai te dar mais prestígio... Quanta gente faz engenharia por causa do dinheiro? Quanta gente vira médico pra agradar o papai? Quanta gente acaba não realizando sonho nenhum por medo?

Não me avisaram do medo nem da responsabilidade que é escolher o que vou ser quando crescer, mas enxerguei isso agora e ainda tenho tempo! Tempo para não desistir do meu sonho, tempo para correr atrás do que quero. Se quero mesmo ser escritora? É uma das certezas que tenho na vida! O que vou fazer para conseguir ser? Como minha mãe me disse uma vez, preciso encontrar uma profissão para ser meu chão, algo que me mantenha enquanto luto pelo meu sonho maior, o que gosto o suficiente para encarar todos os dias é o Jornalismo, mas quem sabe o que vai acontecer amanha?


A verdade de tudo isso? Somos jovens demais para escolhermos o que seremos a vida toda. Deveríamos ter o direito ao erro, não? Será que poderíamos começar uma faculdade e acabar descobrindo que não é aquilo que queremos sem que pedras sejam lançadas sobre nós? Será que depois de um grande homem aquele doutor pode desistir dos consultórios para se tornar um professor ou sei lá, um esportista? Não sei, mas gostaria muito que cada um pudesse ter a chance de descobrir o que quer ser no tempo certo, sem medo, sem receio, com leveza e com amor.  

Não tenho certezas hoje, talvez continue não as tendo amanha, mas estou disposta a lutar por uma coisa: a felicidade! Se tem uma coisa que exijo dessa vida é a chance de ser feliz e vou lutar por ela todos os dias, com todas as minhas forças. Se ter um pouco de confusão e dúvida faz parte dela, então por que não encarar? 

Este texto faz parte do Projeto Literário 16 on 16, onde 16 blogueiras no dia 16 de cada mês produzem cada qual um texto em cima de um tema escolhido pelo grupo. Para conferir os textos dos demais participantes basta acessar os links abaixo.

You Might Also Like

10 Comments

  1. Por que crescer tem que ser tão complicado, Thaíiiiiiis? ;-;

    Quando crianças nós não tínhamos essa noção de que os professores, os médicos e os nossos pais ralaram loucamente para conseguir onde chegaram e que muitas escolhas rolaram até que alcançassem suas respectivas profissões. Nas nossas cabeças eles já estavam ali desde sempre e pronto. Não teve um antes, era apenas o presente. E tudo era tão maravilhoso pensando assim.

    Não tínhamos noção nenhuma do peso que as escolhas representam, nem de como é difícil tomá-las. É um baque tremendo quando essa realidade começa a se achegar, às vezes nem tão de mansinho. É louco, confuso, dá vontade de sair correndo... mas, né, não podemos correr. Não para trás, pelo menos. Só para frente, para o futuro. E é isso que nós estamos tentando fazer, não é? Mesmo com medo, mesmo assustadas.

    Mas vamos encarar e vamos conseguir desbravar esse caminho, sim :33

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É isso que estamos fazendo Nicolle, e confesso que nos acho corajosas só pelo fato de estarmos tentando rsrs
      Obrigada pela visita! Deus te abençoe!
      Beijocas :*

      Excluir
  2. Ah, vida fácil. As vezes é tão bom não ter responsabilidades, as vezes acontecem algumas falhas de percurso e me pergunto " o que estou fazendo com a minha vida?" Mas é assim, dia após dia, crescer, evoluir, tentar ser melhor.
    Lindo texto. Beijos, Mái.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso mesmo, Mái! É por ela nos surpreender a todo instante que encontramos a graça ><
      Obrigada pela visita! Beijos.

      Excluir
  3. Deus foi tão misericordioso com os seres humanos que nos presenteou com a Duvida! Somos seres imperfeitos mas, com a duvida se torna um Q de perfeição... Temos que sempre estar fazendo escolhas... E isso é o segredo para amadurecermos e nos tornarmos melhores enquanto pessoas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo plenamente, Camyli :)
      Obrigada pela visita *-*

      Excluir
  4. Essas incertezas são muito comuns, pelo menos para a maioria dos mortais Thaís. Eu sei bem o que é isso, porque eu, com a sua idade, fiz uma escolha profissional equivocada, optei por Engenharia por motivos mais financeiros do que pessoais. Formei-me, com muito orgulho, porém, hoje, estou tentando mudar de rumo e alinhar minha felicidade com o meu trabalho. Não está sendo fácil, mas é preciso tentar.
    O seu texto é muito lúcido e você demonstra ter uma sabedoria rara para jovens da sua idade.
    Boa sorte e muita reflexão nas suas escolhas.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É ótimo saber que não estou nesse barco sozinha, Vitor rs
      Obrigada pelo carinho! Espero que ambos consigamos ser felizes com as nossas escolhas.
      Muito obrigada pela visita e pelo comentário! Espero que se dê bem nesta nova guinada na vida.
      Beijos!

      Excluir
  5. Ô, que texto lindo! Eu me identifiquei e refleti bastante, pois você tem os mesmos desejos meus: o jornalismo e escrever. Quisera eu que fosse tão fácil ou ao menos tivesse mais tempo, mas a vida requer muito de nós. Mas, que assim seja. Quando me perguntam "o que você quer ser quando crescer?", digo que gente grande e feliz... E, olha, pra mim, essa sua casinha no mato ou na praia, com um notebook e uma xícara de café também já estaria de ótimo tamanho. Enfim, que um dia nós consigamos encontrar a felicidade, seja fazendo aquilo que a gente gosta ou gostando daquilo que a gente faz. Um beijo, lindona! Amei o texto! <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amém rsrs
      Fico feliz por ter gostado das minhas dúvidas e confusões transformadas em palavras, Li!
      Sonhos parecidos, não? Que o melhor nos aconteça, e é isso ai, o negócio é ser um adulto feliz :D
      Acho que já estou sendo *-*
      Minha casinha na praia *o*, já me sinto sentadinha na varanda dela rsrs
      Obrigada pelo carinho, princesa! Beijos.

      Excluir

Popular Posts


Compre o nosso livro!