[+QP] Querida moça do vaso de jacinto...





Lembra daquela segunda-feira que você perdeu o sono bem cedinho? Depois de sentir o calor da xícara de café aquecer suas mãos enquanto assistia o sol nascer, você trocou o pijama folgado por uma calça jeans confortável e uma blusa três/quartos. Tirou a bicicleta rosa coberta de poeira da garagem e pedalou pelas ruazinhas de paralelepípedo da cidadezinha que mora desde que veio ao mundo.

A loja do senhor José estava com as portas abertas e dois funcionários arrumavam os artigos de jardinagem, as ferramentas e produtos para trabalhadores no campo... Você com certeza encontraria as sementes que precisava ali! Mas uma tentação surgiu quando você viu um vaso com o ramo de Jacintos que tanto queria na floricultura bem em frente a loja de artigos para o campo. O ramo que crescia verticalmente e mantinha suas flores como em um cone chamaram sua atenção e você parou a bicicleta, indecisa em qual loja entrar.

Bem que você pensou que seria mais fácil levar as flores prontas para casa, não ia ter o trabalho de comprar o vaso certo, as sementes e preparar uma boa terra... Ia ser muito mais agradável levar as flores cheirosas prontinhas para casa! Você só teria que regá-la e não deixá-la morrer debaixo do sol quente. Mas teria mesmo graça? Só se sentar lá e usufruir de algo que não foi feito pelas suas mãos? 

Você costumava ser a garotinha que passava horas sentada no chão com uma caixa de papelão entre as pernas, dali costumavam sair casinhas de bonecas e das caixinhas de Toddynho surgiam geladeiras e penteadeiras. Você gostava de ser criativa e deixar seus dedos trabalharem de acordo com as imagens que iam sendo formadas em sua cabeça. E mesmo depois, quando suas amiguinhas comparavam seus brinquedos comprados em lojas caras com os seus brinquedinhos reciclados, você não sentia vergonha, porque sabia que você tinha sido capaz de fazê-los e tinha sido mais divertido do que simplesmente comprá-los em uma loja! 

Estou escrevendo para não deixar que essa garotinha se vá... Ainda lembro do seu jeito decidido quando virou a bicicleta na direção da loja de artigos para o campo, quando encostou a bicicleta na calçada enquanto um sorriso sonhador e infantil dançava em seus lábios. Depois de entrar na loja, você levou pelo menos duas horas para escolher o vaso, mas escolheu! Ouviu atentamente as sugestões do senhor José sobre a terra e os cuidados que deveria ter para plantar e cuidar das sementes, e quando deixou a loja, ah! você parecia mais feliz do que uma pessoa que ganhou na loteria.

Você foi você mesma naquela dia, querida eu. Você sorriu e se divertiu com as sementes que se tornariam flores dali algumas semanas e ficou tão orgulhosa quando elas finalmente abriram naquela primavera! Estou escrevendo esta carta hoje para que não se esqueça da voz da sua mãe te dizendo aquele velho, mas sábio clichê: "As melhores coisas não vêm fáceis, minha filha. Você precisa lutar por elas!" 

Eu sei que as recordações que acabei de te dar envolvem apenas algumas flores e um vaso, mas a mesma decisão que você tomou naquele dia, a mesma atitude de lutar por uma coisa "simples" é o que te move a entrar em um ônibus, mesmo com o coração em pedacinhos e lágrimas queimando em seus olhos por ter que deixar as pessoas que ama naquela cidade enquanto vai lutar por uma vida melhor. É a mesma sensação que te fará lutar pelo amor ao lado de um homem que conquistará o seu coração e é a mesma que te faz ser você mesma em um mundo em que as pessoas tem teimado em viver de máscaras.

Seu vaso de jacinto continua na sua escrivaninha, naquele quarto de paredes brancas e detalhes rosas. Todo dia sua mãe cuida dele como se estivesse cuidando de você e ela sorri orgulhosa para ele, porque sabe que a garotinha que ela criou é corajosa e possui um coração lutador. Ela te fala isso toda vez que você volta pra casa, ela te abraça e diz que está com você, que as bençãos dela estão sobre você... Gostaria que a mesma certeza que ela tem sobre você floresça em seu coração. 

Por favor moça do vaso de jacinto, não esqueça quem você é!      

"Eu tenho um bolso cheio de poesia
Eu tenho uma cabeça cheia de canções
Um coração com asas
Você não poderia me amarrar a nada
E isso é o suficiente para mim (...)"


***

Tema: Uma carta para você mesma
Este texto faz parte do Projeto Mais que Palavras, um grupo que se reúne no Facebook e traz propostas mensais para textos, contos, crônicas, etc., com a missão de tirar nós, (jovens que sonham em ser escritores), de sua zona de conforto e por em prática a atividade que tanto amam. Para saber mais sobre o projeto basta clicar na imagem abaixo, você será redirecionado para o grupo do projeto. 




2 comentários:

  1. Ah que texto maravilhoso! Me emocionei! Parabéns :D
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Eu simplesmente adorei teu texto, e por coincidência a uma semana atrás tive a mesma decisão que tu, entrei em uma loja de artigos para campo e comprei sementes de flores para me aventurar na jardinagem, ainda não floresceram, mas estou feliz apenas por elas estarem brotando. Cai de paraquedas no teu blog e gostei muito, até virei seguidor hahaha.
    Abraços!
    http://umaleituraqualquer.blogspot.com/

    ResponderExcluir

 
Princesas adoradoras © Todos os direitos reservados :: voltar ao topo