Preciso casar, meus pais fazem da minha vida um inferno!

segunda-feira, fevereiro 22, 2016


Esta é a história de Joana, uma moça que há 17 anos convive com o relacionamento abusivo e violento dos pais. O lar de Joana deixou a muito tempo de ser o retrato da frase de Doroty, em “O mágico de Oz”: “Não há lugar como o lar”. Na verdade, procurando fugir dos problemas dos pais e das situações angustiantes que a cercam, ela decidiu se casar o mais depressa possível. Joana quer independência, quer ser livre, e crê que sair da casa dos pais será a solução para os seus problemas, mas será mesmo que esta é a resposta certa?

Já vi algumas histórias como a de Joana, na verdade, já acompanhei de pertinho pelo menos duas. Há meninas por aí, e talvez este seja o seu caso, que cresceram em lares conturbados, onde os pais possuem ideias e propósitos diferentes e não conseguem de forma alguma levar mais que uma semana bem juntos. Você conhece alguma história assim? Talvez sim, talvez não. Há também histórias onde os problemas não giram apenas na vida dos pais, mas na própria garota, ela simplesmente não consegue se encaixar e viver bem ao lado da sua família, tudo vira motivo de briga, ninguém a entende ou a aceita como é, ela é sempre a pauta principal dos conflitos em sua casa. Olhando para a situação com olhos espirituais, posso ver o quanto o inimigo trabalha para destruir famílias inteiras e nós precisamos de maturidade para lutar contra isso.

Meu objetivo hoje é aconselhar você que está em situação parecida, talvez você não se dá bem com o seu pai ou com a sua mãe, ou não aguente mais conviver em um lar tão caótico, tão cheio de crises, e vê no casamento uma ótima oportunidade para deixar a casa dos seus pais. Minha dica pra você é: o casamento não é solução!  

Que loucura é essa, Thaís? Casamento não é algo bom? Deve ser bom o tempo todo, é uma escolha que Deus abençoa...

Sim, o casamento é uma benção! É plano de Deus para a vida de todos nós, mas é uma escolha muito séria, é uma decisão que fazemos para a vida inteira, e deve ser tomada com seriedade, com compromisso e com preparação. Casamento envolve amor e responsabilidade, deve ser uma decisão entre duas pessoas porque elas querem ficar juntas para sempre, e para isso devem estar cientes de que vão ter que lutar todos os dias para mantê-lo. E é por ser algo tão importante na vida de duas pessoas que o casamento não deve ser corrido, movido pelo desejo de um dos dois deixar a casa dos pais o quanto antes. Sair de casa não te fará livre dos problemas antigos, porque na verdade esses problemas são levados com você, mesmo que inconscientemente.

Pode parecer bobagem, mas não é! Uma garota que tenha crescido ao lado de um pai que nunca respeitou sua mãe, que tenha presenciado cenas em que o pai foi agressivo física e verbalmente, não vai simplesmente apagar tudo aquilo da cabeça e seguir em frente. Cenas assim costumam ficar guardadas e criam suas próprias marcas e traumas em nosso coração. Joyce Meyer diz que o inimigo não perde uma situação se quer para plantar mentiras e inseguranças em nossa mente, então ele pode usar este exemplo do pai, para fazer aquela moça acreditar que todo homem será igual, qualquer um fará a mesma coisa.

Então pensemos assim, essa ideia está lá no inconsciente da moça: “todo homem é igual!”, está guardadinha e não parece nada perigosa. Ela conhece um cara legal, eles namoram e decidem que casar será bom, talvez ela ou ele adiantem os planos do casamento porque as brigas com seu pai pioraram, eles não estão se suportando mais, ‘então está bem’, o rapaz diz, ‘vamos casar’. Eles casam e algum tempo depois a garota volta a ser lembrada daquela ideia de que todo homem é igual. Não sei qual será a sua reação, talvez agora quem se torne a parte violenta do casamento seja ela, como uma forma de proteção é ela quem grita, quem toma a frente de tudo e que não permite que o marido faça nada... E ele acaba mergulhando em seus problemas internos também. E assim eles começam um relacionamento tão fadado ao fracasso quanto os dos pais dela. Ou, ela não se torne violenta, mas vai ter sempre algo dentro dela temendo o dia em que o seu marido se torne semelhante ao seu pai.

Não quero dizer que mulheres e homens que passaram por situações traumáticas assim não devam se casar, eles devem sim e vão, mas eles tem que ter consciência desses traumas que carregam, e não aprender a conviver com eles, mas a pedir a Deus que os ajude a vencê-los. E caso não tenham certeza que possuem esses traumas podem pedir a Deus que os revele, porque eles podem estar tão bem guardados que as pessoas nem percebem.

Como dizia acima, casar só para sair de casa não é a solução. Sei muito bem que quando passamos por situações difíceis, dolorosas e por momentos que parecem datar um fim para o relacionamento com os nossos pais, tudo o que queremos é ir para longe, deixar tudo para trás, agir por impulso. Não ser dependente daqueles que jogam tanto em nossa cara o quanto somos trabalhosos, que nunca fazemos nada que presta, que não merecemos tudo que eles tem nos dado. Mas o que acontecerá depois disso? Se você conseguir sair de casa, conseguirá um dia resolver as coisas com seus pais? Perdoá-los pelos erros deles e ser perdoada pelos seus? Será que a distância trabalhará para o perdão ou para o afastamento total? E como será sua vida longe? Será que trará bençãos ou você estará plantando sementes más que terá que colher no futuro?

Meu conselho à você é que não se case por impulso, tenha tempo para pensar nas decisões que você e o seu noivo estão tomando, tenham tempo para se preparar, seja lendo a Palavra juntos, fazendo acompanhamento com o pastor da igreja de vocês, sendo amadurecidos para o casamento. E casem porque querem viver uma vida juntos e não por se apresentar como uma solução para os seus problemas em casa. E deixem que o tempo trabalhe a favor de vocês, para que possam fazer um casamento daquele jeitinho que vocês sonham e com o toque de Deus.


Em relação à vida difícil ao lado dos seus pais, deixe que Deus trabalhe no relacionamento de vocês. Entregue aos pés do Senhor. Mas lute para fazer a sua parte, todos nós cometemos falhas, e para que a restauração de um relacionamento funcione as duas partes devem estar buscando por isso. Por mais difícil que pareça o perdão é preciso fazê-lo. Também não seja teimosa, ouça a voz dos seus pais, ouça seus conselhos, pondere tudo aquilo que ouvir e peça ajuda a Deus, você não está só. 

Não deixe que os traumas do passado e as mentiras de satanás te afastem dos planos de Deus. Você será feliz, menina. Só precisa confiar e ser paciente no Senhor. 

Quando estava fazendo este texto vi um testemunho muito impactante da cantora Michele Nascimento, ela também queria usar o casamento como uma forma de ser livre dos pais. Acredito que você precisa vê-lo também.





You Might Also Like

0 Comments

Popular Posts


Compre o nosso livro!