Soltei meus dedos dos seus e deixei que você partisse

Semana passada respirei fundo em busca de coragem e tirei todas as nossas fotos dos porta-retratos. Guardei as fotografias em uma caixa de papelão, junto com os bichinhos de pelúcia e com outros presentes que você me deu. Aquela sua blusa de frio, que ainda tem o seu perfume, também está bem guardadinha lá dentro. Escondi a caixa em cima do meu guarda-roupa, bem no cantinho, longe do meu campo de visão.

Confesso que ainda não consigo compreender sua decisão de seguir outro caminho. Há alguns dias atrás estava tudo bem, nós seguíamos a mesma rota, com sonhos e metas parecidas, com os dedos entrelaçados, assim como nossos corações estavam unidos. Mas daí você me disse que aquilo, nós dois juntos, não era mais o que você queria. No início eu fiquei furiosa, como assim? O que havia mudado dentro de você? E todas aquelas juras de amor? Mas não teve jeito, você não tinha respostas para as minhas perguntas e eu não tinha o direito de obrigá-lo a ficar do meu lado, numa rota que você não desejava mais seguir.

Soltei meus dedos dos seus e deixei que você partisse. Vi você dobrando a esquina, sua camisa xadrez balançava. Parecia leve, após deixar um fardo para trás. Realmente eu não entendia por que você tinha que ir, mas uma noite dessas eu comecei a entender. Eu estava terminando minha oração e o meu último verso, aquele verso costumeiro, que mamãe me ensinou quando eu ainda era bem pequena, escapou pelos meus lábios:

“Que não seja feita a minha vontade, mas sim a sua, Senhor”.

Não é apenas um verso, sabe? É uma declaração de fé, meu bem. É uma das tantas declarações de fé que eu fiz, assim como todas aquelas que nós fizemos juntos diante de Deus durante os anos que ficamos juntos. E eu finalmente entendi, que a sua partida era um sinal da vontade de Deus. Nós não íamos dar certo mais, íamos? Sem perceber nos tornamos pessoas completamente diferentes e demos sorte de você ter percebido isso antes de um casamento, de filhos, de laços inseparáveis.

É verdade que ainda está doendo. Te ver partindo não foi uma das cenas mais fáceis, tive vontade de chorar como uma menininha e às vezes ainda tenho. Mas finalmente entendo que Deus tem o controle das nossas vidas. Você não é mais o amor da minha vida, mas torço para que seja feliz, moço. Você é livre para ir.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *