Retrovisor

Entre o tic-tac do relógio, lá estou. Enquanto você levanta apressada, corre pelo quarto procurando o uniforme, fazendo a maquiagem, penteando o cabelo, lá estou eu. Quando você toma sua xícara de café encostada na pia e repassa todas as metas do dia, estou parado ao seu lado, mesmo que você não me perceba ali. Quando você está imersa nas leituras da faculdade ou sentada no ônibus, voltando para casa numa sexta-feira fria, às 22:oo horas, estou sentado ao seu lado.

Você era a moça sorridente que parava tudo para olhar para o céu. Enquanto se encantava com as formas das nuvens me via entre o azul mais vivo. Em algum momento seus olhos deixaram de brilhar quando você olhava o céu. Você simplesmente parou de pensar em mim, estava sempre ocupada demais. Não tinha forças para conversar comigo nem mesmo na hora de deitar, tudo o que queria era fechar os olhos e dormir…

Minha menina, eu sei que sua vida não foi marcada apenas por primaveras, houveram rigorosos invernos em sua trajetória, e eu estive ao seu lado em cada um deles, só que você só se escondeu em mim quando as coisas apertavam demais. Achei que você tinha ficado confortável entre os meus braços. Acreditei que meu afago era o seu carinho favorito e que meu beijo suave em sua testa tranquilizava o seu dia. Pensei que você não iria mais querer sair dos meus braços, mesmo que a primavera chegasse trazendo o canto dos pássaros e o cheirinho das flores, mas você se desvencilhou e decidiu caminhar sozinha.

Você me deixou entre os livros na estante e procurou consolo em todos aqueles livros e séries. Você encarou os desafios que o mundo te apresentou, mas quando as coisas voltaram a apertar, a menina que antes corria para mim, correu para debaixo das cobertas, maratonou séries e livros, se encheu do mundo na esperança de vencer os receios que cresciam em seu coração. Enquanto você me deixou no passado, me vendo apenas pelo retrovisor à medida que conduzia a sua vida por uma estrada marcada por calmarias e prazeres momentâneos, eu estive ali, bem do seu lado, acenando para que você me visse.

Você fechou a porta que me dava acesso ao seu coração e enquanto eu esperei do meu lado, você estava do outro, pensando e repensando em como eu poderia estar pensando de e sobre você. Será que eu te via como uma filha ingrata? Será que você era repugnante por causa das suas falhas? Será que eu estava decepcionado? Não querida, tudo o que eu queria era que você voltasse para casa. Eu sou o Pai e você é a minha filha pródiga. Não importa quão suja, machucada ou entristecida você esteja, eu estou à porta de casa, andando para lá e para cá, esperando que você faça à curva. Estou esperando que você aponte na rua e quando o fizer estarei de braços abertos, pronto para aconchegá-la mais uma vez.

A vida passa depressa demais! Venha para mim enquanto há tempo! Estou do lado de fora da porta que você me deixou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *