Ser feliz é assim, de Jennifer E. Smith

Nos últimos dias venho tentando participar da Maratona Literária de Inverno, a MLI para os mais chegados, mas a minha experiência com prazos e metas não é lá das melhores, então ainda não posso declarar essa minha primeira experiência como um sucesso. Só que eu não vim aqui para chorar, seguiremos então em frente.

Antes da maratona começar foi feito um “esquenta”, um período de doze horas maratonando para que entrássemos no ritmo da #MLI. Durante o Esquenta eu escolhi dois livros, Deus o ama do jeito que você é (para concluir) e Ser feliz é assim. Hoje, vamos conversar sobre Ser feliz é assim, da autora Jennifer E. Smith.

O livro da Jennifer estava na minha lista de leitura desde o ano passado, tanto pela sinopse da história quanto pela escrita da autora, que me conquistou em A probabilidade estatística do amor à primeira vista e A geografia de nós dois, então quando vi que a Galera Record liberou o mesmo no programa Kindle Unlimited da Amazon, não perdi tempo e fiz o download do livro.

O livro conta a história de Graham Larkin e Ellie O’Neill, dois adolescentes que pertencem a universos completamente diferentes. Graham e Ellie acabam se esbarrando em uma das esquinas da vida, uma esquina que está muito na moda por sinal, conhecida como “E-mail”. Ellie recebe em sua caixa de mensagens um e-mail de Graham, que pedia ao destinatário para levar seu porco para passear. A partir desta primeira mensagem inusitada, Graham e Ellie começam a trocar mensagens constantemente e se tornam amigos virtuais, apesar de não saberem se quer o nome um do outro eles conversam com tanta sinceridade e entusiamo que em três meses já estão apaixonados um pelo outro, porém não afirmam essa verdade. Apesar de tantas revelações nos e-mails, Ellie não tinha a mínima ideia de que estava conversando com uma estrela de cinema!

Ser feliz é

Ver o sol nascendo no porto. Tomar sorvete num dia de calor. Ouvir o barulho das ondas ali no fim da rua. O jeito como meu cachorro se enrosca perto de mim no sofá. Dar um passeio a pé de noitinha. Filmes legais. Tempestades. Um belo cheeseburger. Sextas-feiras. Sábados. Quartas-feiras, até. Mergulhar a ponta dos dedos do pé na água. Calça de pijama. Chinelo de dedo. Nadar. Poesia. A ausência de emoticons num e-mail. (posição 339)

Enquanto Ellie é uma garota de cidade pequena, que passou a vida dentro da loja – mega bagunçada – de presentes da mãe, brincando na praia com a melhor amiga e guardando um grande segredo familiar do resto do mundo, Graham é um ex-garoto comum que se tornou uma estrela da noite para o dia. Graham está cercado por fotógrafos, agentes, fãs, relações públicas, outras estrelas de cinema, já Ellie luta trabalhando em dois empregos para juntar o suficiente para fazer um curso de verão em Harvard.

No entanto, do lugar onde estava Graham conseguia enxergá-la perfeitamente: o cabelo ruivo ondulado e a camiseta grandona com a figura de uma lagosta sorridente na frente, o jeito como as pernas estavam encolhidas por baixo do corpo no assento da namoradeira de balanço e o nariz coberto de sardas. Ele conseguia vê-la bem, e a reação foi exatamente aquela que havia imaginado mais cedo. Foi como levar um soco em cheio no estômago. (posição 1153)

Mesmo não tendo muita coisa em comum, Ellie e Graham desenvolvem uma amizade virtual, que Graham está louco para transformar em algo mais. Graham convence os produtores de seu próximo filme a terem como locação de filmagem a cidadezinha de Ellie e é para lá que ele vai, disposto a descobrir onde está a garota dos e-mails.

A cidade litorânea de Henley é invadida por paparazzis, câmeras, turistas, fãs e pela equipe de produção do filme. Com tanto tumulto, Ellie e Graham acabam se encontrando, mas não tem paz de fato para se conhecerem e deixarem a amizade seguir o rumo que o destino vinha trabalhando. Acontece que com tantas câmeras e com a possibilidade de vir a ser a namorada de uma estrela, o segredo familiar de Ellie, guardado à sete chaves até agora, é colocado em risco através do seu relacionamento com Graham. Será que Ellie está disposta a deixar o seu segredo de lado para seguir o seu coração?

A história destes dois é marcada por muitos e-mails, conversas leves e divertidas, e algumas aventuras que te prendem ao livro até concluir a história! Outro ponto positivo e gostoso é a semelhança que Henley traz de Stars Hollow, a cidadezinha de Lorelai e Rory Gilmore. A autora não fez uma cópia da cidade, mas Henley tem aquele conforto, aquele toque de cidade pequena especial que a cidade das meninas Gilmore tem, entendedores entenderão. Outra ligação com Gilmore Girls aos meus olhos está na relação entre Ellie e sua mãe, apesar delas nãos erem tão íntimas quanto Rory e Lorerai, o relacionamento das duas me lembrou muito das personagens da série, assim como a personalidade da mãe de Ellie.

Outro ponto fofo do livro é que cada capítulo é iniciado com um diálogo via e-mail das personagens principais, tudo muito fofo! Está na cara que eu gosto de uma boa dose de romance, né?

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *