16 de Janeiro de 2015
O que faz de você a flor?
O 16 on 16 é um projeto onde 16 blogueiras escrevem um texto e postam todo dia 16, cada mês o texto é inspirado em um tema selecionado e votado por elas.
 
Tema de janeiro:
“Mudei muito, e não preciso que acreditem na minha mudança para que eu tenha mudado.”
 
Durante muito tempo preferi o lado menos visitado do jardim, sempre que as pessoas passavam perdiam horas admirando as orgulhosas rosas, e lembro que costumava pensar que elas tinham todos os motivos para ser orgulhosas e exibidas. Elas eram lindas, tinham pétalas macias e reluzentes, pétalas que dançavam com a brisa suave. Além de lindas eram também as mais colhidas. Sempre que um casal passava de mãos dadas pelo jardim, o rapaz se abaixava e colhia uma rosa, ela era beijada e entregue com muita doçura nas mãos da moça.

As rosas tinham o poder de impressionar as pessoas, elas as prendiam e depois ainda se tornavam lembranças. E o que eu era? Apenas uma margarida, com suas pétalas brancas e seu miolinho amarelo. Passei um grande tempo me dizendo que não havia nada que me diferenciava das rosas, no fundo éramos todas apenas flores e enfeitávamos o mesmo jardim. Tentei me convencer de  que não havia problema e que no tempo certo eu seria vista, alguém me colheria e poderia se tornar o presente e quem sabe o passado de alguém?

Numa manhã fresca, vi uma moça entrar no jardim, ela tinha um lindo sorriso e brilho nos olhos, parecia bem consigo mesma. Se eu fosse humana gostaria de ser como ela. Diferente das outras pessoas ela não parou próxima as rosas, para a minha surpresa e de todas as outras flores do jardim. Ela começou a andar entre as flores, à procura de alguém. Uma ruga formou-se em sua testa, mas ela não perdia o sorriso. Sua procura parecia mais uma dança, ela bailava como as flores, deixando-se levar pela brisa.

 
Ela chegou bem pertinho de mim e sorriu ainda mais quando viu todas as margaridas. Ela poderia ter colhida qualquer uma, mas me colheu! Ela me tirou do chão com delicadeza e me levou até o seu nariz. Me cheirou e sorriu ainda mais. Depois ela me ensinou uma das maiores lições da minha vida:
 
 – Em latim você significa pérola, sabia dona margarida? Dizem que você é frágil, mas como pode uma pérola ser frágil? Você é forte e especial, e quando entender isso não precisará que ninguém mais te diga para que se torne uma verdade.
 
Naquele dia eu mudei, e muito. Não foi só uma troca de jardim, já que agora tenho como casa uma folha no diário da escritora que enxerga à vida  través da alma, também não foi o fato de me tornar uma lembrança que fez de mim alguém, mas sim o que a moça me ensinou naquele dia. Aprendi que muito mais importante do que receber reconhecimento dos outros, é receber reconhecimento de mim mesma. Não preciso ser A FLOR para os outros, desde que nas minhas entranhas eu saiba que eu sou A FLOR e saiba porque! Enquanto me amar, me valorizar e me redescobrir poderei fazer qualquer lugar de jardim. Poderei ser feliz sem medo, sem pressionar ninguém.
Não são as pétalas, a sua posição no jardim ou quem está de olho em você, o que te faz grande é o que você carrega ai dentro, o que faz seu coração bombear todos os dias.  
 
***

Gostaram do texto? Quais são as experiências de mudanças de vocês? 

Ah, visitem as outras moças para conhecerem os textos delas também! 

Ariana | Brunna | Camylli | Daniela | Fernanda | Gabriela | Ghiovana | Lianne | Marlana | Lyz | Máira

Muá :*
Escrito por: Thaís Oliveira

Você também vai gostar

    Pense no que você diz a seu respeito!
    O que fazer enquanto você espera?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

14 Comments

receba as novidades


Inscreva-se no formulário ao lado e receba conteúdos exclusivos em seu e-mail.
 
 

Acompanhe os vídeos no youtube


desenvolvido por QRNO