Confiar / Capítulo 9

Oi, Princesas *-*
Então, está saindo mais um capítulo novinho de Confiar, espero que vocês gostem e deixem seus comentários dom dicas e opiniões. 
Curtam a leitura! 😀 
Que Deus abençoe muito vocês.

Confiar
/ Capítulo 9

As semanas foram passando e tudo caminhava bem, Sophia se envolveu
com os trabalhos na Igreja, se dedicou mais a escola, e curtiu bons momentos
com a Jú, contudo, ela se dedicou muito mais a Deus, ao seu relacionamento com
Ele.
Sophia começou a
devorar a Bíblia, todos os dias histórias novas e tantas outras que ela já
havia visto, traziam uma mensagem do Mestre para ela. A Bíblia é viva e sempre
traz uma perspectiva diferente para a sua vida, Sophia estava começando a
aprendendo isso.
Mas não era fácil,
ela chorou antes de dormir algumas noites e em algumas manhas se sentiu
inferior na escola, quando via pessoas virando a cara para ela, como a nossa
Estrela desejava que nada daquilo tivesse acontecido, como ela gostaria de não
ter cometido aqueles erros…
O passado não se
apaga, você se lembrará dele, mas cabe a você fazer com o que ele tenha uma boa
interferência no seu presente. Sophia cometeu um erro, todo ser humano comete
erros, mas diferente de muitos, ela estava disposta a se acertar, ela havia se
arrependido, e é isso que conta.
Quando você
comente erros e se arrepende, assim que você pede perdão ao Mestre, Ele perdoa
e esquece o seu passado, o amor de Deus faz com que você viva novamente, Ele
não desiste só porque você teve um passado com erros e dor, pelo contrário, Ele
preparou maravilhas para a sua vida, e já ter passado por alguns erros pode
fazer você crescer, pode amadurecer a sua fé – não estou falando para você
errar, estou dizendo dos erros já cometidos.
Não pense que
fugir do inimigo é fácil, não é não, e ele não estava disposto a deixar Sophia
em paz. Toda pessoa tem problemas espirituais, algumas estão tão cegas com o
mundo, estão por aí “curtindo” sua vida que não percebem que estão se
afogando, e o mar é o inimigo. Para fugir do afogamento é preciso confiar em
Deus e ser obediente a Ele, é preciso coragem, fé para lutar contra esse
violento mar. Neste mar, há pessoas que já se afogaram e estão afundando cada
vez mais, há pessoas lutando contra as fortes ondas lá em cima, há algumas
começando a fraquejar e assim começando a afundar, há outros caminhando ao lado
de Jesus sobre as águas.
Perto deste mar
está o Espírito Santo, intercedendo sobre essas vidas, Jesus está sobre as
águas caminhando com aqueles que escolheram viver com o seu Pai, Ele abençoa a
sua Igreja que luta para se salvar, enquanto caminha Ele estende a mão para
aqueles que desejam amá-lo e se preciso for Ele mergulha neste mar para salvar
aqueles que já se afogaram, mas que em seus corações clamam pela misericórdia
de Cristo…
Sophia estava
começando a se afogar, havia desistido de lutar contra a carne, contra as
ondas, mas Jesus com todo o Seu amor mergulhou naquele mar e a salvou. O diabo
estava irritadíssimo com isso, ele queria a todo o custo ter Sophia se afogando
novamente, ele queria destruir mais uma vida, aniquilar todos os sonhos que
Deus havia preparado para ela, mas o Mestre é muito maior e mais poderoso, com
a Sua forte mão resgatou mais uma filha.
Insatisfeito,
armadilhas estavam sendo preparadas para Sophia.
s2
Aquela manha havia transcorrido de maneira rápida e divertida, o
assunto sobre Sophia estava começando a deixar os corredores da escola, as
pessoas deixaram de olhar tanto para ela, e alguns que tanto a criticaram
começaram a voltar a pedir ajuda sobre alguns exercícios e provas, Sophia com
seu coração bondoso estava lidando com todo mundo de forma educada, não brigou
com ninguém, não gritou, apenas se distanciou daqueles que tanto a julgaram e
passou a conviver com eles apenas como colegas.
Estava cuidando para que nada viesse a destruir ou abalar sua vida
espiritual, ela queria santidade e estava lutando por ela. 
A menina risonha estava voltando, o brilho de Jesus voltou a
ocupar aqueles lindos olhos cor de mel, e as pessoas que a viam andando pelos
corredores da escola até se perguntavam por que ela estava tão feliz, muitas
meninas cogitavam que ela tinha que estar muito triste depois de tudo que
aconteceu, mas nenhum deles sabia que quando se permite a entrada de Jesus no
seu coração, uma alegria celestial o invade, quando  é decidido caminhar
uma história nova e linda ao lado do Senhor, o passado é apagado e a alegria de
ter nascido de novo vem.
Sophia tinha motivos para chorar, tinha motivos para ter trocado
de escola e depois daquela humilhação toda, nunca mais sair de casa, mas ela
sabia quem cuidava dela, ela sabia que Deus estava na frente, tinha certeza que
as coisas iam melhorar, então ela optou pela alegria do Mestre.  
  
Aquela alegria,
aquele brilho, tudo andava irritando muito o inimigo e ele trouxe alguém para
irritar Sophia, na saída da escola.
Sophia estava
caminhando para os portões da escola ao lado de Jú quando o viu. Lá estava ele,
encostado em uma moto, com uma cara super emburrada, os olhos transbordavam
raiva. Ele não tinha nada mais de príncipe, ao olhos de Sophia agora aparentava
ser um sapo. Há um mês atrás quando ela olhava para ele, sentia que seu coração
acabaria fugindo, mas isso passou e hoje, ela mal conseguia olhar nos olhos
dele.
O caminho para o
ponto de ônibus era na direção contrária de onde estava Pedro, e Sophia
agradeceu a Deus por isso, em momento algum deixou que ele percebesse que ela
já o havia visto, caminhou ao lado de Jú, conversando e rindo, fingindo estar
distraída, mas o tempo todo estava clamando a Deus para que ele não viesse
atrás dela.
– Não gostei muito
da aula de educação física de hoje, o povo daquela sala não sabe brincar, eles
fazem do jogo uma competição acirrada, eu mal encostei na bola… – Enquanto
Júlia falava, Sophia ia imaginando o que poderia acontecer se Pedro viesse
falar com ela.
Em meio a
pensamentos, Sophia sentiu uma mão segurar o seu braço com firmeza. Ele a virou
e fitou dentro dos olhos dela.
– Oi. – Disse
Pedro, esvaindo em frieza.
– Oi. – Sophia
disse toda atormentada.
Fui até o seu
lado, e sussurrei em seu ouvido “Não tenha medo, o Mestre é com
você.”. Sophia relaxou e olhou bem nos olhos dele.
– O que você quer?
– O que eu quero?
– Assim que Pedro terminou sua pergunta, com a mão que ele segurava Sophia, ele
a puxou para si e grotescamente a beijou. Sophia começou a se debater, tentando
se desvencilhar dele, sentia nojo e repulsa. Júlia estava tão espantada, que
não sabia o que fazer, ela abraçou fortemente o seu livro e torceu para que
aquilo tudo acabasse logo.
– Ei, solta ela! –
Pedro terminou o seu beijo roubado e olhou para o dono da voz. Tiago era uns 15
centímetros maior que Pedro e possuía uma forte voz, amedrontado Pedro a soltou
e fitou o garoto desconhecido.
Assim que Sophia
se viu livre dele, ela correu para trás de Tiago e se manteve segura ali.
– Quem você pensa
que é? – Perguntou Pedro, ele queria briga, não iria deixar barato para aquele
garoto. A escola toda estava de olho no que estava acontecendo ali.
– Eu que te
pergunto. Com que direito você beija uma garota a força? Com que coragem você
se aproxima dela depois de toda a mentira que você inventou? – Tiago parou um
instante, esperando que suas palavras fizessem efeito. – Você se acha um grande
homem, certo? Mas não soube reconhecer que tinha conquistado uma garota melhor
do que você é, só porque ela é inteligente e esperta, e não quis o que você
queria, mentiu para todos e inventou algo absurdo sobre ela… Se você acha que
ser homem é cometer essas bobagens está na hora de crescer, cara.
Revoltado e
humilhado, Pedro se enfureceu e partiu para cima de Tiago querendo briga, porém
ele não percebeu que o seu inimigo era mais forte e não queria brigar, Tiago
não foi para cima, apenas se desvencilhou do soco de Pedro, e como ele havia
posto toda sua força ali caiu como uma banana no chão. Toda a turma da escola
que estava vendo a fim de colher algumas fofocas, caiu na risada, alguns até
tiraram foto e filmaram o tombo de Pedro, enquanto a humilhação para Pedro
crescia, Tiago tirou Sophia e Júlia dali.
– Você tá bem? –
Tiago perguntou para Estrela.
– Sim. – Ela disse
com lágrimas no olhos. Tiago sabia que ela não estava tão bem assim e a
envolveu em um abraço, enquanto a abraçava deixou que ela chorasse e esperou
até que Sophia estivesse calma novamente.
Quando Sophia se
acalmou, Tiago olhou para Jú e viu o quanto ela estava pálida e precisando de
um abraço também.
– E você Jú, tá
bem? – Tiago perguntou já abrindo o outro braço que não envolvia Sophia, Jú se
aproximou e os abraçou, ela nem respondeu a pergunta de Tiago.
Depois de algum
tempo, Jú se afastou.
– Eu preciso ir
para casa… Tiago, você poderia fazer a gentileza de levar Sophia até em casa?
– Claro, pode
deixar que eu a levo sim.
– Não precisa
gente, eu estou bem… – Tiago olhou bem dentro dos olhos dele. Sorrindo ele
disse.
– É, eu sei que
você está bem… Não se preocupa, eu te acompanho até em casa, sem problemas.
– Então tá. Depois
nós conversamos, Sophia. – Jú beijou a bochecha da amiga, deu um soquinho em
Tiago e se foi.
Sophia e Tiago
continuaram a caminhar para o ponto de ônibus em silêncio, até que ela decidiu
quebrá-lo.
– Eu não sabia que
você sabia, do que havia acontecido comigo…
– Bom… Você
conversou com a minha mãe sobre tudo que tinha acontecido, lembra? Ela não me
contou no  início, conduta de professora e aluna, sabe? – Disse Tiago,
sorrindo, Sophia acenou e sorriu para ele. – Mas, eu sabia que estava
acontecendo alguma coisa com você, só não sabia o que exatamente… Você havia
sumido dos ensaios de teatro, não aparecia muito nos cultos de terça-feira e
sempre que ia a escola dominical ficava quietinha, parecendo estar longe, isso
não fazia muito o seu tipo.
Tiago parou
novamente, Sophia não parou de concordar, ela estava um pouco envergonhada e
suas bochechas começaram a ficar rosadas, Tiago ignorou aquele pequeno fato e
continuou a sua explicação.
– Você e a Jú não
conversavam muito mais, então tudo que eu perguntava para ela era em vão,
porque ela não sabia e tinha as mesmas dúvidas que eu… Depois de muito
insistir, perguntando pra mamãe sobre como você estava na escola, se estava
bem, ela me contou o que tinha acontecido e me fez jurar que eu não contaria
pra ninguém, e eu não contei. Só que eu não aguentei o que aquele garoto estava
fazendo com você e tive que intervir.
– E eu agradeço
por isso. Eu não sabia o que fazer, a Jú também não, viu como ela ficou toda
assustada, tadinha…. – Estrela sorriu para Tiago. – Obrigada, eu precisava
mesmo de uma boa defesa, e você foi um excelente advogado.
Tiago caiu na
risada.
– Agora eu não
passo de um advogado? – Ele perguntou entrando na brincadeira. – É injusto o
que eles estavam fazendo com você e peço perdão se de alguma forma eu acabei te
envergonhando, mas eu não podia ver uma amiga sofrer. Sei que nós estivemos
afastados durante um tempo, mas você ainda é minha amiga…
– Você também é
meu amigo, e não me envergonhou em nada. Muito obrigada por tudo que você fez
hoje.
Sophia o abraçou
novamente e silenciosamente agradeceu a Deus por estar devolvendo os seus
velhos e bons amigos.
O ônibus chegou e
eles entraram. As ruas estavam muito movimentadas na hora do almoço e eles
levaram um bom tempo para chegar em casa.
s2
O percurso até em casa foi emocionante, eles colocaram as
novidades em dia, conversaram como se não tivessem passado nenhum minuto se
quer separados
– Acho que me trazer na porta de casa foi um exagero da
Jú… 
– Exagero não, você trocou a palavra foi um imenso prazer, e um
grande cuidado da Jú. Você sabe que eu sempre estarei aqui, não se preocupe em
esconder as coisas de mim, eu sempre irei saber. – Ele disse sorrindo. 
– Vou de contar tudo, senhor. 
– É bom mesmo, porque assim eu posso ajudar mais.
– Não quer entrar? – Sophia perguntou.
– Adoraria, mas tenho que ir a Biblioteca Municipal encontrar um
livro que preciso, fique para a próxima, ok? 
– Ok. Até mais, então. 
– Até. – Tiago beijou a testa de Sophia e se foi.
Assim que Sophia
entrou em casa, o telefone tocou.
– Alo.
– Oi, querida. Eu
soube o que aconteceu na escola, e… Está bem?
– Estou sim, mãe.
Mas, quem te contou?
– Foi a Sara, me
contou também que o Tiago te ajudou.
– É, o Tiago me
ajudou e está tudo bem, mãe.
– Ah, que bom.
Isso me deixa muito mais tranquila. Me liga se precisar de qualquer coisa, ok?
– Pode deixar.
Beijo, te amo mãe.
– Também te amo,
querida.
Sophia sorriu,
mães sempre se preocupam.

10 comentários sobre “Confiar / Capítulo 9”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code