Quote da Semana – Anne Frank

Hi, meninas *-* A paz! Hoje é dia do Quote da Semana estão lembradas? Vou trazer pra vocês alguns quotes de um dos melhores e mais emocionantes livros que já li na minha pequena vida – O Diário de Anne Frank. Pra quem não sabe, Anne era apenas uma adolescente quando a terrível II Guerra Mundial ganhou vida, alemã de descendência judia, ela e sua família ficaram escondidas em um anexo desconhecido na fábrica que Otto, pai da garota trabalhava. 

Durante seus dias aprisionada, Anne começou a escrever um diário, onde depositou seus segredos, aflições, sonhos, objetivos, sua fé e crença que sairia viva do holocausto. Infelizmente, Anne morreu em 1945, aos 15 anos, deixando para o mundo grandes lições através do universo das palavras.

“E soube que estava sozinha, que não podia contar com a ajuda dos outros. Meu medo desapareceu. Olhei para o céu e confiei em Deus.”


“Enquanto puder olhar sem medo para o céu, saberá que é puro por dentro, e encontrará a felicidade outra vez.”



“Tenho vontade de escrever, e tenho uma necessidade ainda maior de tirar todo tipo de coisa do meu peito.
‘O papel tem mais paciência que as pessoas’. Pensei nesse ditado num daqueles dias em que me sentia meio deprimida e estava em casa, sentada com o queixo apoiado nas mãos, chateada e inquieta, pensando se ficaria ou sairia. Finalmente fiquei onde estava matutando. É, o papel tem mais paciência, e como não estou planejando deixar que ninguém mais leia esse caderno de capa dura que geralmente chamamos de diário, a não ser que algum dia encontre um verdadeiro amigo, isso provavelmente não vai fazer a menor diferença.” Agora estou de ao ponto que me levou a escrever um diário: não tenho um amigo.”

Desde que entrei no 8° e 9° ano, acabei me prendendo no século 20, sempre amei aulas de história, mas falar sobre a II Guerra Mundial fizeram destas as minhas aulas preferidas. Não porque gosto de guerra, dor e sofrimento, mas sim porque acredito que o universo literário era muito maior no século anterior. Hitler iniciou sua loucura – sua guerra – através de um livro, enquanto a pequena Anne buscou escapatória em um diário. Amo ler e tenho o século 20 como uma grande referência desse meu vício.

Fora isso, Anne me fisgou há muito tempo, uma grande menina, sonhadora, sabe? Pode até ser um pouquinho comparada conosco. Ela não queria apenas casar e ter filhos, queria ter uma profissão, fazer o que mais amava – escrever -, de uma forma doce e simples conquistar seu mundo, ser importante, fazer história. Enquanto escrevia seu diário imaginava se alguém algum dia seria capaz de lê-lo, mal sabia a pobre garota que seu pai tornaria o universo Frank em um grande referencial literário.

“Eu falo mais comigo mesma do que com os outros.”
“E quem é feliz, faz feliz os outros.”
“Nesses momentos não penso no infortúnio, e sim na beleza que permanece. É nisso que eu e mamãe somos muito diferentes, seu conselho diante da melancolia é: “pense em todo o sofrimento que há no mundo e agradeça por não fazer parte dele.” meu conselho é: “saia, vá para o campo, aproveite o sol e tudo que a natureza tem para oferecer. saia e tente recapturar a felicidade que há dentro de você; pense na beleza que há em você e em tudo ao seu redor, e seja feliz.”
O diário de Anne é um daqueles livros que valem a pena serem lidos, não apenas pela graça da escrita, mas por abrir a mente para o passado. Sabemos que milhares de pessoas morreram injustamente no passado, e acredito que só poderemos evitar algo assim se voltarmos os nossos olhos para o Holocausto e buscarmos aprender com ele, para evitá-lo. 
Anne gostaria que você lê-se o livro dela 🙂
E você? O que pensa sobre a Anne? *-*
Beijinhos da Tha ;*

5 comentários sobre “Quote da Semana – Anne Frank”

  1. Primeiro deixa eu dizer o quanto amei o novo visual do blog! Ficou perfeito demais e amei a sua descrição, que eu estava sentindo falta!

    Anne Frank é realmente demais. Não li o livro ainda, está na minha lista de leitura desse ano, mas conheço a história e já estudei muito sobre isso nas aulas de história. Segunda Guerra Mundial sempre foi meu assunto preferido no quesito história. Assim como você disse, não por gostar de guerra e nem por apoiar as atrocidades que acontecerem, mas porque ela rende histórias fantásticas, tal como Anne Frank e A Menina Que Roubava Livros

  2. Own, Bárbara *-* , fico feliz por ter gostado ♥

    Realmente, ótimas histórias surgem com a II Guerra! A Menina que Roubava Livros é demais, um dos meus livros preferidos. Leia o quanto antes a história da Anne, se você já a acha demais, vai acha-lá ainda mais incrível, se isso for possível haha

    Fique na paz!

  3. Pingback: Pessoas que eu gostaria de conhecer / ter conhecido ◂ My Blog

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code