Uma aventura à dois #2

Oi meninas! Que saudade que eu estava de vocês! Fiquei sem internet de novo, mas graças a Deus ela voltou e espero que não se vá de novo ;s rsrs Com vocês estão? Espero que bem! Lembram que quarta-feira da semana passada compartilhei o primeiro capítulo da minha fanfic Uma aventura à dois? Quem ainda não viu, pode ver aqui. Como prometido posto hoje o segundo capítulo.

Capítulo
2
Ariel
correu para o seu quarto e aquela foi a primeira vez que desejou que o mesmo
não fosse de frente para a praia, mas sim para a rua, queria continuar vendo
Felipe e tentar adivinhar quem ele era, mas foi só tirar o uniforme e se jogar
na cama para começar a ouvir a mãe chamando da cozinha. Emburrada ajeitou os
fones no ouvido mais uma vez e aumentou o volume para tentar fugir dos gritos
dos irmãos enquanto descia as escadas.
Embora
morassem no Brasil, numa região litorânea do Rio de Janeiro, o pai de Ariel era
americano e havia tentado trazer para a nova casa lembranças da sua cultura,
enquanto todas as casas da rua eram de apenas de um andar e de laje batida, a
casa deles possuía um telhado e até mesmo um sótão, era toda de madeira e
possuía uma cadeira de balanço na varanda em frente a praia, a casa americana
atraía alguns turistas durante a temporada de verão e alguns curiosos sempre
paravam para conversar com seu pai.
A porta
da cozinha estava aberta permitindo que os gritinhos agudos de Melissa e Ana
adentrassem a casa, elas estavam correndo no gramado e haviam feito uma bagunça
típica, os brinquedos estavam espalhados para todo lado. Sua mãe, Clarice,
estava abaixada entre as flores que rodeavam o quintal, toda coberta de terra,
Ariel tinha se esquecido que hoje era dia de limpar o jardim.
– Oi,
querida! Preciso que você lave a louça depois de almoçar e não se esqueça de
arrumar seu quarto, quando fui pegar sua roupa de cama essa manhã mal consegui
encontrá-la. – Clarice tinha o mesmo tom ruivo dos cabelos da filha, os olhos
verdes ainda traziam a jovialidade e doçura da moça que estava eternizada nas
fotografias da sala, e mesmo tendo três filhas que viravam qualquer casa de
cabeça para baixo, ainda conseguia se manter como a super mulher de sempre, e
essa era uma das características da mãe que Ariel mais amava.
– Não
entendo porque tenho que arrumá-lo agora, só eu que fico lá mesmo e além do
mais você bem sabe que me entendo perfeitamente na minha bagunça. – Ariel
emburrou ainda mais a cara como qualquer outra adolescente que tem preguiça de
encarar sua própria bagunça.
– Não me
venha com essa mocinha, ou terei que dar mais um daqueles discursos que você
tanto detesta. – ela voltou sua atenção para as flores e Ariel soube que era a
deixa para ir arrumar suas coisas.
Acabou
preferindo lavar as louças primeiro e depois arrumou seu almoço, antes de subir
as escadas parou em uma das janelas da sala para olhar para os vizinhos, mas
não viu sinal algum de Felipe, segurando o prato e o copo de coca-cola com
atenção subiu as escadas e viu um episódio de Gilmore Girls enquanto almoçava.
Depois
de duas horas tentando separar o que precisava ser guardado no guarda-roupa e o
que precisava ser levado para lavar, e limpar toda a estante de CDs, assim como
toda sua coleção de DVDs, Ariel se jogou na cama e decidiu mandar uma mensagem
para Felipe.
– Oi.
Cinco
segundos depois ele respondeu. – Oi, vizinha! Quer me ajudar a me localizar no
meu quarto? Tem caixa espalhada pra todo lado! ;s
– Rs!
Não obrigada! Acabei de dar um jeitinho na minha bagunça, já chega de quarto
por hoje.
– Que
tal você me mostrar o que há de bom na cidade mais tarde, então?
Ariel
não sabia o que responder, ela sequer conhecia o garoto, sabia que ele era seu
vizinho e que provavelmente não faria loucura alguma com ela, assim como também
tinha certeza que seu pai jamais a deixaria sair com um cara que mal conhecia
mesmo que o centro da cidade fosse a menos de 10 minutos a pé de sua casa. Mas
ela tinha aquele espírito aventureiro crescendo em seu peito.
– Combinado!
– Ás
19:30?
– Ta,
mas me espera na primeira árvore depois da curva da nossa rua, okay?
– Adoro
fugitivas 😀
Ela
ficou surpresa consigo mesma pelo que acabara de fazer, nunca tinha saído com
um garoto sozinha, a não ser com Pedro, mas eles haviam crescido juntos e eram
tão irmãos quanto irmãos de verdade são. Tinha outros amigos na escola e na
igreja, mas sempre que saíam juntos tinham a companhia de outras amigas, mas
agora, com Felipe tão perto ela sentia que podia começar a ser a garota aventureira
que sempre sonhou ser.
 Ariel decidiu ligar para Camila, sua melhor
amiga, e contar tudo que estava acontecendo, como sempre Camila pensou nos
melhores planos possíveis e acabaram combinando que Ariel iria dar uma volta
pelo centro com Camila e que depois dormiria na casa da amiga. Claro que Camila
não estava pensando apenas na amiga, ela tinha um namorado e planejar que
sairia com Ariel seria o plano perfeito para se encontrar com Gabriel. Como
Camila e Ariel viviam dormindo na casa uma da outra, Clarice e Richard já
estavam acostumados a deixar que a filha fosse e naquela noite não foi
diferente.
Algumas
roupas foram colocadas dentro da mochila e como Clarice ia até o mercado com as
meninas, Ariel pediu que a mãe deixasse suas coisas na casa amiga com a
desculpa de que já iria encontrar Camila no centro. Com a mãe fora, Ariel ligou
o rádio numa estação que tocava músicas internacionais e começou a se arrumar.
Por mais que não fosse mais verão, eles estavam no fim de março e já fosse
outono, a noite não estaria tão fria fazendo com que Ariel escolhesse um
vestido azul claro de alcinhas, todo estampado com tulipas azuis escuras, ele
tinha o peitoral franzido e uma fita cinza na cintura, tinha duas saias e era
um palmo acima do joelho. Para o caso de sentir frio escolheu um casaquinho de
linho branco bem leve.
Deixou a
maior parte da longa e ondulada cabeleira ruiva solta, prendeu apenas a franja com
uma presilha de laço e optou por não passar muita maquiagem, o rosto tinha
algumas sardas delicadas abaixo dos olhos que eram na verdade a parte preferida
de Ariel. Rímel preto cobriram os cílios e um gloss rosado deram mais destaque
ao lábios. Pegou seu par de sapatilhas prateadas favoritas e já estava pronta.
Eram quase 19:30 quando chegou  a árvore,
menos de dois minutos depois Felipe estava na sua frente.
 Ele estava com uma calça jeans cinza, all star
preto e camisa polo verde que realçavam ainda mais seus olhos. Ele se aproximou
e deu um beijo na bochecha de Ariel.
– Você
está linda, Ariel! – ele colocou a mão direita em sua cintura e a incentivou a
caminhar.
– Como
você sabe meu nome? Jurado que ainda não tinha te dito ainda… – Ariel tentou
disfarçar que o 
carinho dele não a havia pego de surpresa.
– Quando
adicionei seu número no meu celular você apareceu no meu whatssapp, se estivesse
com algum plano para ser minha amiga sem dizer o seu nome, acabou de perder. –
ele sorriu e a fez perder o fôlego. – Qual é a do Ariel? Sua mãe é fã da
Disney?
– Na
verdade ninguém suporta mais os filmes da Disney lá em casa, minhas irmãs veem o dia
inteiro! – ela olhou para ele buscando ver se ele prestava atenção nela, para a
sua surpresa ele não tirava os olhos dela.
– Ainda
bem que não tenho irmã mais novas!
 – Pois é! O fato é que o meu pai é americano e
esse era o nome da minha bisavó, muito antes da Disney creio eu, e ele amava
aquela mulher, quando se casou com a minha mãe ele a convenceu que a primeira
filha teria o mesmo nome e aqui estou eu. – Ariel levou a mão aos lábios
recordando-se da sua terrível mania de falar rápido demais.
Felipe
riu da mania recém descoberta.
– Ele
não poderia ter feito escolha melhor. – eles chegaram ao centro da cidade sem
sequer notar.
– Bom…
O que você vai querer conhecer?
– O que
tem por aqui para começo de história? – ele tentou soar o mais gentil possível.
– Tem a
sorveteria barra lanchonete barra padaria do senhor Manoel, tem o cinema, tem o
bar do Paulo, mas não tenho permissão pra ir lá – ele riu -, tem também alguns
restaurantes à beira mar, uma boate que também não posso ir e mais uns
lugares… – Felipe a interrompeu.
– Que
tal comprarmos um sorvete ou milk-shake e irmos caminhar pela areia?
– Ta
bom! – Ariel não podia acreditar que tinha acertado tanto pela primeira vez. –
Só que tenho que te contar um detalhe primeiro… Como você pode imaginar meus
pais não sabem que sai com você – ele concordou – então para todos os efeitos
nós vamos ter que encontrar com a minha amiga, a Camila, ali na sorveteira e
ela e o namorado dela vão caminhar com a gente até na praia, mas depois eles
vão se agarrar por aí e a gente pode conversar.
– Tudo
perfeito.
Eles
encontraram a Camila e o Gabriel, e Felipe se dão bem com todos os dois, os
meninos foram na sorveteria comprar os Milk-shakes.
– Ele é
um gato, amiga! Como foi que você teve essa sorte louca de um vizinho gato mudar
para a frente da sua casa? – Camila a deu um gentil empurrão.
– Deixa
de ser pra frente, você tem namorado! – Ariel corou.
– E você
vai ter um também. – Camila estava dando pulinhos de alegria, enquanto Ariel
corava.
Os
garotos voltaram com os Milk-shakes e juntos caminharam até a praia, Camila
estava pendurada em Gabriel, e Felipe mantinha uma distância apropriada de uns
50 centímetros de Ariel.
– Por
que você se mudou pra cá, Felipe? – Camila perguntou enquanto tirava uma mexa
dos cabelos loiros que estava cobrindo seu olho esquerdo.
– Meu
pai é dono da antiga fábrica de papel, era do meu avó na verdade…
– Seu
avó era o senhor Jonas? Ele era um rei na cidade! – Gabriel disse.
– É,
fiquei sabendo. Depois que meu avó morreu as coisas ficaram um pouco loucas,
meu pai e os irmãos dele não conseguiam ocupar o lugar do pai, depois de muito
conversar e chorar, eles concluíram que meu pai era o melhor para cuidar da
fábrica de papel. Como o sonho da minha mãe sempre foi morar em uma cidade
pequena, eles não pensaram duas vezes para vir para cá, então aqui estamos! E
juro que pensei que seria bem menos divertido. – ele bebeu um pouco do
Milk-shake e eles continuaram andando.
– Você
poderia me conseguir um emprego na fábrica de papel, né cara? – Gabriel já se
sentia bem íntimo de Felipe.
– Cala a
boca, Biel! – Camila e Ariel gritaram juntos sorrindo.
– Vou
ver o que posso fazer, juro!
Camila
deu um soco de brincadeira em Gabriel e de repente eles começaram a correr pela
areia até que desapareceram numa duna.
– Acho
que essa foi a deixa deles para irem se agarrar. – Felipe disse enquanto
sentava na areia.
– Eles
sempre fazem isso. – Ariel se sentou com a ajuda de Felipe.
O céu
estava estrelado e uma brisa fria corria junto à maresia.
 – Você disse que não podia ir à boate nem ao
bar… Por que?
Ela
bebeu um pouco mais do seu Milk-shake de morango antes de responder.
– Cresci
num lar cristão, sempre existiram muitos princípios para mim.

Compreendo, também nasci num lar cristão, mas nunca gostei dos princípios que
meus pais queriam me impor. – ele fitou o oceano como se visse algo que Ariel
não pudesse ver.
– Sério?
– Sério,
era como se eles tivessem me privando de viver o melhor que há no mundo. Qual o
problema de dançar uma música? Ou de escolher sozinho com quem você vai casar?
Sempre quis ser livre como um pássaro, poder escolher meu próprio caminho,
decidir quais nuvens vou querer ver hoje ou com quem vou querer estar no pôr do
sol amanha… Acredito que Deus quer que sejamos felizes e para mim felicidade
é isso. – ele segurou a mão de Ariel.
– Sempre
pensei assim. – Ariel segurou a mão dele de volta.

– Que
tal começar a viver assim?
Gostaram? Espero que sim! Expectativas?
Contem-me tudo *-*
Que a paz e o amor do Senhor sejam com vocês!
Abraços de panda! 

9 comentários sobre “Uma aventura à dois #2”

  1. Estou amando ler fanfic Uma aventura à dois …<3
    aguardando o capitulo #3 Princesa *–*
    ki a paz d Cristo seje contigo ..
    Abraços d panda rsrs(cmo vc smpre fla rs >.<

  2. Ai, não me mata do coração, Tata!
    Confesso que o Felipe é um sonho, ele tem aquele jeito especial pelo qual todas as garotas se derretem. Afinal, se tem uma coisa que aprendi com a minha pastora é: a mulher é pega pelos ouvidos! E, apesar dele ser encantador, tem algo nele que me deixa com a pulga atrás da orelha. Não sei, mas algo não está no lugar em que deveria estar!

    Não consigo parar de pensar no outro menino… Mateus, não é? Estou mega ansiosa pra ele entrar na história! Já disse que amo o fato da Ariel ser ruiva? É, eu amo! Estou loucamente ansiosa pelo proximo capitulo, Thais! Demais, demais, demais!

    1. Ah, que gracinha *o*
      Eu amo você, sabia? rsrs
      Fico feliz por estar tão intrigada e ansiosa ♥ E que bom que gostou dos cabelos ruivos da Ariel kkk
      Continua com esses raciocínios, estou amando rs
      Beijos :*

  3. Pingback: Uma aventura à dois #4 ◂ My Blog

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

code