6 de Março de 2013
Oi, Princesas *-* 
Tudo bem com vocês? :)) 
Finalmente consegui terminar o quarto capítulo. Espero que vocês gostem. 
Eu estou muito feliz por vocês estarem lendo, comentando, e por todos os comentários recheados de carinho que vocês tem deixado. Obrigada pela força. Eu agradeço todos os dias pela vida de vocês, por vocês fazerem parte da minha história. Eu amo muito vocês, irmãs em Cristo! s2

Deus as abençoe!
Beijinhos,
Thaís Oliveira.   

Capítulo 4


Enquanto Sophia
namorava escondido, seus pais percebiam o quanto a moça havia mudado. Surgiu
nela uma espécie de arrogância, toda vez que era questionada sobre os encontros
constantes nas casas das amigas, ou de estar perdendo os ensaios da Igreja,
surgia uma Sophia mandona e bruta, que respondia aos pais sem medo de estar
desobedecendo.
A garota calma, foi
dando lugar a uma menina desassossegada, começou a escutar músicas mundanas e a
se moldar de acordo com o que o namorado gostava. Roupas mais curtas, festas em
que ia escondida, a sua autodesvalorização…
Chegou um momento da
vida de Sophia que ela não me ouvia mais, não conversava mais com o Mestre, seu
dia era tão cheio tentando manter o namoro, que a nossa Estrela se esquecia de
orar, de ler a palavra, de se quer pensar em Deus. Os constantes esquecimentos
se tornaram hábitos, fazendo com que a relação que ela mantinha com o Mestre se
esfriasse. Igreja era apenas uma obrigação, e todos começaram a notar a
diferença.
Júlia foi a primeira
a vir falar com Sophia.
– Oi, Estrela! –
Júlia disse toda animada, tentando criar um bom clima para conversar.
– Ei, Ju. – Sophia
disse toda desanimada, estava louca para ir para casa. Queria conversar com
Pedro, ele tinha ido para uma festa sem ela ontem, e a garota não parava de
pensar no que podia ter acontecido.
– Você anda tão
desanimada. Por que parou de vir aos ensaios de teatro? E você falava tanto na
nossa sala, durante os questionários da aula você nem fala nada… Está
acontecendo alguma coisa? – Júlia já havia abandonado toda sua alegria, e
tomado posse de um rostinho triste e preocupado, disposta a sinceramente saber
se havia algo errado com sua antiga amiga, e ela já sabia que havia, tinha
suspeitas de até onde estava vindo aquilo.
– Não é nada,
Ju. Eu só estou cansada, estou estudando muito, e nem estou encontrando tempo
para vir aos ensaios… – Sophia disse tentando manter a calma estava
detestando aquele interrogatório.
Eu sabia o que Júlia
iria dizer agora, com um acenar pedi licença ao anjo da Júlia para pedir que
ela falasse com Estrela.
 “Fala, sem
medo, Júlia, fala…Ela é sua amiga, e você sabe o que está acontecendo,
ajuda…”
– Você anda sem tempo
mesmo ou está se dando menos tempo para os ensaios? – Júlia discretamente tomou
coragem e disse.
– Ah, Júlia, é claro
que estou sem tempo. Ano que vem é ano de vestibular e quanto antes eu começar
a estudar melhor… – Sophia soltou as palavras, doida para se livrar de Júlia.
– Acho um pouco
demais começar agora, já que você sempre foi tão inteligente… Você tem
certeza que é apenas isso que está atrapalhando você vir no ensaio? Não tem
nada acontecendo de diferente? Você sabe, às vezes nós começamos a nos envolver
em certas coisas que nos afastam do Senhor…
– Júlia, você não
sabe de nada! – Sophia se estressou e deixou Júlia para trás, foi até o carro
dos pais e lá esperou por eles.
Sério, vocês não
imaginam quantas vezes fiz Sophia se lembrar daquele momento, quantas vezes
mostrei imagens dela com o Pedro, fazendo coisas que na agradam ao Mestre. Mas
nada tocou o coração dela, nada a fez mudar de ideia.
Ela sabia o quanto
estava errando, indo para aquelas festas escondida, indo para a casa das amigas
com a desculpa de estudar, quando na verdade estava indo para ficar com Pedro.
O modo estranho como passou a não tolerar ninguém que não concordasse com ela.
A sensação de vazio, e a forma como não passou a se sentir a vontade na
presença do Senhor.
Todos viram a
diferença, ela viu, mas não ligou, e naquele momento o Mestre disse que
infelizmente, ela só seria capaz de aprender na dor.
As brigas na casa de
Sophia começaram a intensificar, o pai não aceitava mais o fato da filha nunca
estar em casa, não conseguia entender porque ela estava tão desanimada na
igreja, e começou a conversar com Sophia a respeito disso, mas ela estava
sempre tão nervosa, aquele garoto deixava a minha Estrela tão nervosa, que ela
só sabia ser desobediente, só sabia brigar com os pais.
O fato do nervosismo
vinha por ela não conseguir confiar em Pedro, ela temia que ele a traísse, que
estivesse com outras quando ela não podia estar com ele. Estava sempre
verificando o facebook dele, sempre que podia checava as mensagens no celular
dele, e queria falar com o rapaz o tempo todo.
Me explica que tipo
de amor é esse?Esse não é amor. Se você não conhece vou te explicar o amor que
o Mestre separou para cada uma de vocês.
 “O amor é
paciente, o amor é bondoso. Não inveja, não se vangloria, não se orgulha. Não
maltrata, não procura seus interesses, não se ira facilmente, não guarda
rancor. O amor não se alegra com a injustiça, mas se alegra com a verdade. Tudo
sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.” (1 Coríntios 13: 4-7)
Se eu fechar os meus
olhos, posso contemplar o Rei dizendo estas palavras. A cada vez que uma
Princesa encontra seu Príncipe, O vejo declarar estas palavras sobre o casal.
Um amor de verdade, um amor que não haverá mentiras, não haverá discórdia, um
amor baseado no amor Dele por vocês.  
Amar alguém e não
confiar nela, não é amor. Amar alguém e a odiá-la, não é amor. Rancor, mágoa?
Casais que vivem o amor que Deus preparou passam por lutas sim, e como passam,
mas tudo suportam, juntos eles esperam pela vitória, pois eles creem no Rei, e
problema algum é maior  do que o Rei.
O que Sophia e Pedro
compartilhavam, não é amor, não era o que Deus separou para ela. Um amor faz
com que as pessoas cresçam se tornando melhores, mas o Sophia estava apenas
diminuindo, havia esquecido-se dos pilares da sua vida, havia abandonado sua
essência.
O que adianta namorar
alguém em que você não confia? Do que vale os momentos que você passa com a
pessoa, se estes devem ser escondidos, sem que ninguém saiba? Eu sempre falei
isso para Sophia, falei que não valia a pena, pois o que ela sentia por Pedro
era passageiros, mas as atitudes que ela estava tomando deixariam marcas para
toda a sua vida.
  Sophia
conseguiu manter o relacionamento por três meses sem que os pais soubessem, na
verdade, eles desconfiavam, porém tentavam em vão falar com a filha.
Ao completar mais um
mês ao lado de Pedro, lá para julho de 2011, Pedro fez uma proposta a Sophia.
– Amor, nós estamos
juntos há um tempo, nós podíamos… Você sabe, aprofundar a relação. –Pedro
deixou a absurda frase no ar, esperando o silêncio e a cara de espanto de
Sophia passar.
– Acho que ainda é
cedo, Pedro, não estou preparada para isso, na verdade, não quero fazer nada
disso durante o namoro. – Sophia disse, toda envergonhada, com as bochechas em
chamas.
– Você não defende
aquele papo, só depois do casamento, não né? – Pedro disse, com uma cara de
abuso, que me tirou do sério.
– Sim, acredito que
só vale a pena após o casamento… – Neste momento confesso que senti
orgulho da minha Estrela, finalmente ela havia pensado!
– Fala sério… Não
tem nada a ver. ‘A gente’ se ama, cara, e é isso que importa. – Pedro
continuou dizendo isto, até a noite terminar e cada um procurar o seu rumo.
Sophia não havia
mudado de ideia, e eu continuei sussurrando para que ela não se esquecesse.
Naquela mesma noite descobri
uma conversa que Pedro havia tido com os amigos.
– Cara, você ainda tá
com aquela garota? – Pedro foi questionado.
– Pois é, estou.
– Até quando?
– Até eu
conseguir o que eu quero, cara. Não fiquei três meses namorando uma garota só,
para não conseguir nada. – Pedro disse, enquanto ria.
Em meio a gargalhadas
e uma tragada no cigarro o amigo Paulo disse.
– Mas se as outras
que você pegou enquanto está namorando? Não basta né? Você é terrível, Pedro,
não vale nada!!
Sophia já estava
dormindo, mas mesmo assim, me ajoelhei próxima a cabeceira da cama dela, passei
a mão sobre seus cachinhos cor de mel e sussurrei:
“Sophia, eu não posso
fazer mais nada, nem o Mestre pode, pois você tem o direito de escolher, o
direito de tomar as suas decisões, mas por favor, não se entregue para o Pedro,
ele só quer fazer com que você sofra… Deus tem o melhor para você, eu posso
te ajudar a chegar ao caminho do Mestre novamente, posso te ajudar a se limpar
dessa fase suja da sua vida. Nos deixe ajudar você, por favor…”
Na manha seguinte Sophia acordou louca para encontrar uma solução. Na mente
dela, havia um pensamento sombrio, que a dizia que ela devia se relacionar
sexualmente com Pedro, pois esta era sua prova de amor, esse era um novo passo.
Mas, a parte sã de Garota Cristã que nela havia, acompanhado pelo Espírito
Santo, e por mim, dizia o contrário, dizia que aquele não era o momento nem a
forma certa de se envolver. 
Sophia não sabia com quem conversar, sabia que não podia dizer nada a mãe,
pois ela não sabia do namoro, não queria ter a o opinião das amigas primeiro,
queria uma opinião diferente, alguém que iria a ouvir primeiro, para depois dar
opinião… 
Ela precisava conversar com a Júlia.
Depois de tomar seu café da manhã, Sophia ligou para a antiga amiga, elas
estavam de férias escolares, então seria fácil encontrar Júlia em casa. 
Júlia disse que ficaria feliz em recebê-la, e de repente Sophia se viu
em frente a casa dela, tocando a campainha.
– Oi, Sophia! – Júlia recebeu
Sophia toda animada, há anos não recebia a visita de sua amiga de infância,
estava toda entusiasmada, ainda tinha esperanças de serem amigas novamente.
– Oi, Júlia. Nossa, eu preciso
muito conversar com você. – Sophia não estava com ‘travas na língua’, apenas
queria falar, precisava falar. Sabe quando você sente um aperto no coração? Uma
necessidade imensa de falar com alguém, de contar tudo o que está acontecendo?
Então, aquele era o momento dela.
Sophia contou tudo a Júlia, todos
os encontros escondidos, todas as brigas, o motivo do seu desânimo, sem manter
nada escondido, ela se abriu, contando até do último pedido de Pedro.
Júlia calmamente assentiu, não
sabia o que dizer, era muita coisa ao mesmo tempo. Queria saber como Sophia,
uma garota tão forte e sábia, havia se metido no meio de uma confusão dessas.
Ela imperceptivelmente fechou os olhos e pediu direção a Deus para falar com a
querida amiga. 
– Estrela, sinceramente, o Pedro
não é o cara certo pra você… Quem hoje, pede uma declaração de amor dessas? É
sério, não estou querendo julgar, ou me meter, apenas dar a minha opinião, com
todo respeito. Você sabe que deve esperar, aprendeu isso desde pequenininha.
Deus tem o melhor para você, e Ele só pede que você saiba esperar. Quando chega
o momento de Deus, com a pessoa que Ele escolheu não há sofrimento, não a
ciúmes e nem mudanças extremas para tornar você uma pessoa que não é. 
Sophia deixou que aquelas
palavras chegassem até o seu coração, deixou que uma lágrima rolasse, e sentiu
a verdade batendo a porta da sua vida. Não falou nada, não sabia o que falar, e
com o silêncio, Júlia apenas segurou firmemente as mãos da amiga e deixou que
ela chorasse.  
Depois de cessar o choro, Júlia
perguntou.
– Você pediu a Deus direção sobre
esse namoro? 
– Pedi, mas Ele não respondeu
nada. – Sophia disse tentando não chorar mais.
– Ele não respondeu ou foi você
que não quis ouvir a responde que Ele tinha? – Júlia queria mostrar para a
amiga o que estava na cara e só ela não vi. Sophia precisava entender que todo
aquele relacionamento estava errado, e com calma Júlia iria mostrar a verdade.
– Eu orei no começo, mas confesso
que ao passar dos dias fui me esquecendo… Não consigo orar mais, tem alguma
coisa me impedindo, é como se fosse um bloqueio, Deus está muito longe de
mim. 
– Deus não está longe de você,
nunca esteve longe. Jesus é Emanuel, o Deus conosco, Ele jamais nos abandona,
Sophia. Você deve estar se sentindo longe, porque deixou Ele de lado. Não foi
Ele quem te esqueceu. E aposto que você tem uma anjinha que cuida de você,
lembra que nós vivíamos imaginando isso quando crianças? – Júlia disse e sorriu
para a amiga.
Através das recordações Sophia
sorriu, e eu sorri também. Lembro-me muito bem dessas duas falando sobre nós,
dizendo que elas tinham anjinhos da guarda, e elas realmente tem. 
– Você acha que esse namoro é
aprovado pelo Senhor, Sophia? Você ainda se importa com a opinião Dele?
– Sim, eu me importo, Ju. E não
acho que O esteja agradando… Mas, o que eu posso fazer? Eu gosto muito do
Pedro. 
– Acredito que você deverá
esquecer esse namoro, deixar que Deus cuide de você. Ele pode curar seu
coração, tirar o Pedro da sua mente, e claro, você deve querer isso. Você só
alcançará as bençãos de Deus, quando largar as escolhas do mundo, nós não
podemos nos moldar aos padrões daqui.
“Nós somos humanas, somos
falhas Sophia, fazemos as escolhas erradas muitas vezes, mas Deus está de
braços abertos esperando por nós. Ele sim tem o melhor preparado pra ti, você é
a Menina dos Olhos Dele,  e Ele quer cuidar de você.”
Sophia saiu da casa de Júlia
renovada, com a mente aberta para escolher um caminho melhor e diferente. Mas,
ao chegar em casa encontrou com as amigas Carol, Bella e Paula no portão da sua
casa.
– Oi, Sof, nós estamos te
esperando um tempão. Onde você estava? – Carol toda mandona perguntou.
– Eu estava na casa de uma amiga
da igreja…
– Hun, sim… Enfim, nós
precisamos conversar.
Elas entraram em casa e foram
para o quarto de Sophia, como seus pais estavam trabalhando, não havia problema
em conversarem na casa dela.
– Três meses, hein? – Paula
comentou toda animada.
– Chegou a hora de começar a
levar essa parada a sério, Sophia. – Completou Bella.
– A sério? Nós não temos levado a
sério até agora? 
– Mais a sério, moça. Vocês devem
sair mais, se envolver mais… Eu sei que o Pedro está doido para ter algo mais
profundo com você. O que foi que vocês conversaram ontem?
Eu sabia que Sophia não queria
falar, ela já tinha tomado a sua decisão, mas estava com medo de ser
influenciada pelas amigas de novo. Não queria que elas soubessem do pedido de
Pedro, nem que ela daria um não como resposta, queria manter em segredo tudo
isso, mas sabia que não conseguiria. Então, como de costume contou o pedido a
elas.
– Oh, sério?! Eu sabia que ela
gostava de você de verdade. – Carol exclamou entre pulinhos. – É claro que você
dirá sim, este é um passo enorme, e maravilhoso. Ele quer compromisso amiga, e
pode ter certeza que depois disso vocês poderão namorar em casa. Esse passo
dará mais motivação a ele para enfrentar o mundo que está contra vocês. 
Sophia ficou pensativa, e como
esta era mais uma armadilha do diabo, essas palavras encontraram lugar no
coração da minha Estrela. Agora só Deus sabe o que ela irá decidir…
Princesas Adoradoras / Thaís Oliveira. 
Escrito por: Thaís Oliveira

Você também vai gostar

    Ele está nos levando em direção a calmaria
    Além da tempestade, há um céu azul

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

17 Comments

receba as novidades


Inscreva-se no formulário ao lado e receba conteúdos exclusivos em seu e-mail.
 
 

Acompanhe os vídeos no youtube


desenvolvido por QRNO