6 de Maio de 2019
Foto de Andrea Tummons

“Façam o contrário: amem os seus inimigos e façam o bem para eles.
Emprestem e não esperem receber de volta o que emprestaram e assim vocês terão
uma grande recompensa e serão filhos do Deus Altíssimo. Façam isso porque ele é
bom também para os ingratos e maus. Tenham misericórdia dos outros, assim como
o Pai de vocês tem misericórdia de vocês.”
— Lucas 6:35-36
Quando minha irmã começou a
cursar o 6º do ensino fundamental, um dos conteúdos de história que mais a
deixou intrigada foi o Código de Hamurabi desenvolvido pelos babilônicos, na
Mesopotâmia. O código que tinha como base a lei “Olho por olho, dente por dente”, tinha como objetivo aplicar uma
punição que fosse proporcional ao crime cometido. Se alguém arrombasse uma
casa, por exemplo, teria como punição a morte. Calma aí, essa não é uma aula de
história. Então, vou direto ao ponto.
Enquanto ajudava minha irmã a
compreender o código, não consegui impedir a minha mente de refletir sobre o
quanto as pessoas vivem hoje algo parecido com as leis estabelecidas por
Hamurabi no século XVIII a. C. Está achando que eu estou viajando na maionese?
Vamos refletir juntas!
Nós estamos vivendo em um período
em que as pessoas sentem-se inseguras e anseiam por se proteger a qualquer
custo. Ninguém aceita mais levar um desaforo pra casa. Quantas vezes você
assistiu nos noticiários que um incidente no trânsito acabou em morte ou
agressão após uma longa discussão? Quantas vezes rolamos o feed do Facebook e nos deparamos com indiretas e xingamentos sendo
direcionados a alguém? Muitas pessoas já desistiram de acreditar dos sistemas
judiciários e preferem uma arma para resolver as injustiças que o afligem…
Como muitos filósofos
contemporâneos das redes sociais já disseram, as pessoas estão construindo
muros ao invés de pontes. Nós nos fechamos. Temos preferido acreditar que
ninguém pode pisar em nosso calo e que tudo bem acreditar que não há perdão
para os que foram maus com a gente! Todavia, o Evangelho de Cristo caminha
contra a maré.
Jesus não nos ensinou a
selecionar quem amar e quem não amar, ao contrário, nos mandou amar até mesmo
os nossos inimigos! E sabe por quê? Porque eles são tão imerecedores de
misericórdia quanto você e eu! É verdade! Nós não somos melhores do que as
pessoas que fazem escolhas erradas! Isso não significa que elas estão certas
das péssimas escolhas que fazem nem que você deva concordar com elas, porém,
diante da Graça de Deus todos nós somos indignos.
Ao escrever sobre isso, não consigo
deixar de pensar em Jesus, preso naquela cruz dizendo: “Perdoa-os Pai, pois
eles não sabem o que fazem.” (Lc 23:34). Todo aquele que se arrepende
verdadeiramente, encontra o perdão de Deus, um perdão do qual jamais seremos
merecedores.
O que Jesus está nos dizendo é
que nós precisamos fazer o bem as pessoas, fazendo sem olhar a quem. Não
importa se a pessoa foi boa ou má com você, se chegar uma oportunidade para
ajudá-la, ajude. Eu sei que isso é difícil! Sei que exige sacrifícios, mas isso
querida, é amor, e não chega nem perto do que Jesus fez por nós. Se você sofreu
uma injustiça e ela ainda não foi solucionada, entenda que não depende das suas
próprias mãos, nós confiamos em um Deus que é justo e reto, e que luta por nós!
Deus é quem fará justiça, não você. A nós, Jesus deixou bem claro, cabe
aprender a amar.

Que todos os dias, nós possamos ser impulsionadas a fazer o bem, sem
olhar a quem.

Ouça o nosso devocional no Spotify ou Soundcloud. 


Soundcloud

Escrito por: Thaís Oliveira

Você também vai gostar

    Será que vale a pena (mesmo) esperar?
    Querido futuro marido,

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

receba as novidades


Inscreva-se no formulário ao lado e receba conteúdos exclusivos em seu e-mail.
 
 

Acompanhe os vídeos no youtube


desenvolvido por QRNO