20 de Dezembro de 2014
 
 
Day 20
Tema: seu(s) pecado(s)

quero voltar pra casa…
O sol ainda está nascendo, a grama está molhada e um ventinho frio corre entre as árvores. Deixei meu cobertor mais cedo, estava rolando na cama
há horas, vesti uma velha blusa de frio do meu irmão, calcei as minhas havaianas e saí pelo quintal. Ao fim do nosso gramado há um imenso terreno baldio, ele é um antigo pasto, na verdade, mas acabou de ser vendido para uma dessas empresas que fazem condomínios, a paz vai acabar logo, logo…
Caminho até chegar há uma velha árvore, que está aqui desde que me
entendo por gente, seus galhos já me serviram de brinquedo, sua sombra já foi um bom lugar para brincar de casinha e o cair das suas folhas já me ensinaram muita coisa, mas hoje venho a esta velha árvore com o desejo de mandar um sentimento que está roendo o meu coração embora.
Sento no capim ainda molhado e fecho os olhos, deixo o ar fresco agitar meus cabelos e afastar tudo aquilo que anda pesando meus ombros. Sinto
que não estou apenas me carregando, sabe? Parece que o mundo todo resolveu sentar nas minhas costas.
Abro os olhos e vejo o céu mais uma vez. As nuvens estão voando bem devagarzinho para os seus distantes destinos. Os pássaros começam a dançar no céu. As flores começam a florescer outra vez. Olho para os meus pés e imagino todo o caminho que já fizeram. Acertei muitas vezes nessa vida, mas errei muito também. De todos os pecados que cometi o maior foi ter achado que podia caminhar sozinha, errei achando que a minha história seria melhor sendo escrita por mim, apenas por mim.
Suspiro profundamente e imagino Deus sentado ao meu lado, gostaria
de ser digna para olhar em Seus olhos ou apenas para ouvir a Sua forte voz.
Gostaria de ser forte o suficiente para dizer as palavras que se formam em meu coração. Posso não vê-Lo agora, mas preciso dizer.
– Senhor? Me perdoa por não confiar inteiramente em Ti? Me perdoa
por dizer várias vezes que não haveria luz no fim do túnel. Me perdoa por
acreditar que sozinha estaria melhor acompanhada. Quis sentir o prazer de
segurar o lápis da vida com as minhas próprias mãos, tive mais rabiscos do que histórias de verdade, precisei angustiantemente de uma barrocha mas não encontrei… – lágrimas saem de mim – Não quero segurar o lápis mais, Senhor. Quero que o Senhor segure para mim, por favor. Me ajuda a caminhar? Não quero cometer o erro de me afastar Daquele que mais me ama, me aceita de volta em casa Senhor?
Uma brisa mais forte passa por mim agitando meus cabelos e penetrando a minha alma. Sinto um renovo começando lá no meu coração, como se
antes eu estivesse na escuridão, mas agora meu corpo está se enchendo de luz.
Pássaros cantam a minha volta, flores se abrem aos pés da árvore
onde estou sentada. Uma paz enorme nasce em mim, sei que fui aceita em casa de novo, há festa no céu. Há anjos a minha volta.
Escrito por: Thaís Oliveira

Você também vai gostar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

receba as novidades


Inscreva-se no formulário ao lado e receba conteúdos exclusivos em seu e-mail.
 
 

Acompanhe os vídeos no youtube


desenvolvido por QRNO